mochilão no rio de janeiroEae moçada, conforme roteiro planejado, na última semana de 2011 fizemos o nosso mochilão no Rio de Janeiro e agora conto tudo pra vocês.

Ao invés de fazer um post para cada dia, relatando tudo (até as coisas mais sem graça) como nas viagens anteriores. Resolvi criar um post-relato-resumo e depois criar os posts específicos com os passeios e os reviews.


A semana do nosso mochilão no Rio de Janeiro não foi das mais ensolaradas, muito pelo contrário pegamos uma semana de céu nublado e alguns dias de chuva, apesar do calor constante.

A cidade

Quando fizemos nosso mochilão no Rio de Janeiro, descobrimos o porquê de seu apelido Cidade Maravilhosa. A cidade é realmente muito bonita e as vistas que nos proporciona quando estamos em algum ponto mais alto são impressionantes.

Uma característica que gostei foi a quantidade de área verde que vi na cidade, muito legal isso!

mochilão no rio de janeiro mochilão no rio de janeiro

O Rio de Janeiro é uma cidade com as mesmas qualidades e defeitos encontrados em qualquer outra cidade grande do Brasil e do mundo, por isso devemos tomar os mesmos cuidados.

Senti falta de um mercado grande na região onde fiquei hospedado, bairro do Catete.

Os cariocas, em sua maioria, nos receberam e nos trataram muito bem. Nos davam informação mesmo sem precisarmos, nos davam dicas do que fazer e onde ir, se interessavam realmente em ajudar e o mais legal é ver como falam de sua cidade com orgulho.


Hospedagem no Rio de Janeiro

Já fiquei hospedados em vários hostels no Rio de Janeiro, porém o único deles que eu recomendo é o Hostel in Rio Suites. Inclusive você pode ler o review que fiz quando fiquei hospedado por lá.

Se quiser buscar alguma outra hospedagem na cidade, pode usar a caixa de busca do Booking logo abaixo:



Booking.com




Transporte

O metrô, apesar de não atender toda a cidade, supre uma grande parte das necessidades de quem está visitando o Rio de Janeiro. Os lugares onde o metrô não chega é perfeitamente possível o acesso através de ônibus, os quais são dirigidos de forma bem rápida por seus motoristas.

Dessa forma conseguimos economizar uma soma razoável não utilizando táxi.

Ahhh os táxis! Durante a semana toda utilizamos táxi pouquíssimas vezes e não tivemos problemas. Mas no dia 1° por volta das 4:30 da manhã quando precisávamos ir ao aeroporto para pegar o voo de volta as 7:20 (voo que acabou sendo cancelado) aí a coisa foi diferente. A maioria dos taxistas não paravam e os que paravam não queriam levar a gente até o aeroporto, então um taxista que estava tomando café em uma lanchonete próxima veio e perguntou pra onde iríamos, dissemos que iríamos ao aeroporto Galeão e a pergunta que se seguiu foi a seguinte: “Quanto vocês querem pagar?”. Caraca como assim? Respondemos que queríamos pagar o valor da corrida, normal!

Ficamos mais um tempo ali e então ele disse que nos levaria por 60 reais. Ficamos putos da vida mas aceitamos, afinal não restava outra opção. O taxista ainda deixou o taxímetro ligado, a corrida ficaria em 46 reais.

A diferença não foi tanta, mas achei uma p**a sacanagem isso, para não dizer coisa pior! Esse foi um ponto negativo da cidade.


Praia

Com o tempo nublado não pudemos aproveitar muito as lindas praias cariocas, mas mesmo assim conhecemos 3 delas:

Copacabana, conhecida mundialmente tem fácil acesso por metrô ou ônibus, localiza-se na zona sul da cidade e merece ser visitada mais de uma vez.





A praia de Ipanema também na zona sul e foi inspiração do compositor Vinícius de Moraes. Como na praia de Copacabana, em Ipanema também chega-se facilmente de metrô ou ônibus.






E por fim fomos a praia do Flamengo onde não entramos na água, pois ficamos sabendo que é poluída, porém a vista que se tem da praia é uma das mais bonitas (infelizmente estava sem a câmera no dia), vale à pena passar por lá!


Comer

Além de preparar a própria comida, também tivemos alguns momentos de lazer total saíndo para comer e beber.

Almoçamos no Berbigão, localizado no Catete em frente ao Museu da República, onde comemos um ótimo bobó de camarão. O preço é meio alto, mas compensa se quiser comer algum fruto do mar, especialidade da casa.

Jantamos no Parmê, pizzaria localizada também no bairro do Catete, próxima a estação Largo do Machado, onde o custo x benefício do rodízio é muito bom! Vários sabores tanto de pizza salgada como de pizza doce.

Fomos também ao Boteco Belmonte, barzinho tradicional do Rio de Janeiro. Fomos tanto no Belmonte Flamengo, na Rua Praia do Flamengo como no Belmonte Ipanema que fica em frente a estação Gal. Osório. Chopp geladíssimo, comidas ótimas e ambiente super agradável. O preço também é bom, com várias opções do cardápio. Se estiver na cidade e quiser um lugar para curtir um happy hour ou mesmo para sair um pouco mais tarde, recomendo o Boteco Belmonte.


Para ir

Confira minha lista de lugares imperdíveis em um mochilão no Rio de Janeiro

Museu da República localizado no bairro do Catete. Não chegamos a entrar no museu, mas fomos até os belos jardins localizados no terreno do museu.




Arpoador, tanto a Praia como a Pedra. A praia do Arpoador separa Copacabana de Ipanema, pequena e frequentada principalmente por surfistas. A Pedra do Arpoador proporciona vistas incríveis e é bem legal para passar um tempo, sozinho ou com uma boa companhia.




Lagoa Rodrigo de Freitas, também bastante famosa, porém só conseguimos ir à lagoa durante o dia. Queríamos ter ido à noite para poder ver a árvore de natal gigante que fica montada dentro da lagoa. Não alugamos bicicleta, pois não tínhamos muito tempo e com o céu nublado não achamos que seria uma boa ideia, mas com certeza é a melhor opção para poder conhecer os 7,8km ao redor da lagoa.


E você, já fez um mochilão no Rio de Janeiro? Tem alguma dúvida sobre a cidade?

Comente abaixo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...